Considerações sobre a importância da água para a vida

A água é a fonte da vida. Seja no nível das espécies ou no do indivíduo, a vida começa na água. Ao nascermos, 80% do nosso corpo é constituído de água e no cérebro essa proporção pode chegar a 90%! Num certo sentido, o envelhecimento parece ser um processo de “secagem” do organismo porque ao morrermos com idade avançada só 40% dele é água. A água faz mais falta ao organismo que o alimento. Um indivíduo pode sobreviver sem comer por um tempo muito maior do que sem beber água.

Funções orgânicas da água

No organismo, a água é solvente para várias substâncias, principalmente para os sais minerais. Por isso, é mais apropriado falar-se em equilíbrio hidroeletrolítico1 que simplesmente em equilíbrio hídrico, já que as alterações nas porcentagens da água são correlativas às alterações das concentrações minerais. A circulação2, a digestão3, a absorção e a excreção de várias substâncias são reguladas pela água. Em constante movimento de absorção e eliminação, ela hidrata, lubrifica estruturas orgânicas, regula a temperatura corporal, faz o transporte de nutrientes, elimina toxinas e repõe energias. Como a água é essencial à vida, quase todas as enfermidades se beneficiam de uma boa hidratação e sofrem os efeitos malévolos de uma hidratação deficiente.

As funções terapêuticas da água

Descontadas as crenças místicas sem bases científicas no poder da “cura pelas águas”, a água é um grande remédio. Antes do advento da síntese em grande escala das medicações, era comum o médico aconselhar a certos pacientes que passassem uma temporada numa “estação de águas”, como recurso terapêutico para muitas enfermidades. Na verdade, as fontes de água desses locais continham em solução sais minerais que atuavam favoravelmente em determinadas situações mórbidas. Ainda hoje em dia as soluções de sais minerais em água, os soros fisiológicos, são as medicações mais prescritas nos hospitais. Além disso, os balneários com seus banhos coletivos são uma prática que vem desde os romanos e que, de certa forma, está substituída ainda hoje pelas piscinas, banheiras e ofurôs. De fato, o banho tem várias aplicações terapêuticas e além de criar um estado de ânimo agradável ajuda a regular a temperatura corporal e tem um efeito relaxante muscular. Nos cálculos renais a água ajuda a diurese4 e facilita a eliminação deles; nas afecções5 inflamatórias broncopulmonares a água fluidifica o catarro e ajuda a expectoração6; em muitas intoxicações a água acelera o processo de eliminação do tóxico. A imersão na água, usada na hidroterapia7 e na hidroginástica diminui o peso dos segmentos corporais e os atritos articulares dos exercícios, além de melhorar o equilíbrio. Tem-se ainda de considerar o fascínio exercido pela natação, sobretudo nas crianças. Subsidiariamente, a água contribui com a higiene corporal, tão importante para a manutenção da saúde8.

Absorção e eliminação da água

O balanço hidroeletrolítico1 depende da captação e excreção de água e sais minerais. Toda água contida no organismo vem de fora e tem de ser ingerida ou administrada por via venosa. A água ingerida é fácil e quase totalmente absorvida e comendo qualquer alimento, principalmente frutas, chás, sucos, refrigerantes e sopas, o indivíduo está também ingerindo água, contida neles em grandes quantidades. Os principais eliminadores de água são os rins9, através da urina10, a pele através do suor e os pulmões11, através da respiração. A saliva e as lágrimas também atuam nesse processo. As crianças, sobretudo as recém-nascidas, são mais sensíveis à desidratação12, em virtude de terem um menor peso corporal e de terem uma maior percentagem de água em seu organismo. Pessoas idosas também são mais susceptíveis à desidratação12 porque têm menos sensibilidade à sede e retêm menos água que os jovens.

Causas e consequências da falta ou do excesso de água no organismo

Chama-se desidratação12 à situação em que o organismo retém uma quantidade de água menor do que seria normal. Ela pode ser classificada como leve, moderada ou grave. As causas mais comuns da desidratação12 são a privação ou as perdas excessivas de água, como acontece se o indivíduo urina10 em excesso, no diabetes13 não controlado; nos indivíduos que tomam diuréticos14 inadequadamente; nas diarreias ou vômitos15 abundantes; nas grandes queimaduras e no excesso de suor quando o indivíduo é submetido a altas temperaturas ambientais ou a surtos febris intensos.

O excesso de água no organismo é chamado de intoxicação pela água ou hiper-hidratação. A hiper-hidratação ocorre quando a ingestão de água é maior que a sua eliminação, o que geralmente acontece por uma eliminação deficiente, uma vez que a quantidade de água que um indivíduo normal bebe por dia dificilmente excede a sua capacidade de excreção. Este excesso de água no organismo provoca uma diluição excessiva do sódio e de outras substâncias presentes na corrente sanguínea. Esse déficit de eliminação de água e sais minerais em geral se deve a uma queda de filtração renal16 e da fabricação da urina10, como acontece nas doenças renais, cardíacas ou hepáticas17. O órgão que primeiro sofre os efeitos da hiper-hidratação é o cérebro e se ela se instala repentinamente o paciente pode manifestar confusão mental, convulsões e coma18.

Como tratar a desidratação12 e a hiper-hidratação?

A desidratação12 leve pode ser corrigida por uma medida simples: beber mais água ou, em crianças muito pequenas, mais leite materno. Beber água regularmente, mesmo sem sentir sede, é um hábito saudável. Afinal, a sede só se sente quando a água já está faltando! Mas por vezes, em casos mais graves, a água e os sais minerais têm de ser infundidos sob a forma de soro19, por via endovenosa, geralmente em unidades de saúde8. Se a desidratação12 for apenas moderada esse soro19 pode ser fabricado e administrado oralmente, em casa.

Embora o tratamento da hiper-hidratação dependa em parte da sua causa, em geral deve-se restringir o consumo de líquidos. Os médicos costumam prescrever diuréticos14, mas eles são mais úteis no tratamento do excesso de volume sanguíneo circulante que na hiper-hidratação propriamente. Na hiper-hidratação a água em excesso se acumula no interior das células20 e não produz acúmulo de líquido, sendo pouco atingida pelos diuréticos14.

Quais são os principais sinais21 e sintomas22 da falta ou do excesso de água no organismo?

Uma pessoa desidratada mostrará baixa pressão sanguínea, aumento da frequência cardíaca, pele pegajosa, urina10 muito concentrada, mucosas23 ressecadas, olhos afundados e ressequidos em virtude da diminuição das lágrimas, diminuição da sudorese24 e, nos bebês25, a moleira afundada. Outros sintomas22 podem ser dores de cabeça26, sonolência, tonturas27, fraqueza, cansaço, confusão mental e choque28 e, por fim, perda de consciência, convulsões, coma18 e morte. Mesmo uma desidratação12 imperceptível pode gerar problemas de cólicas29, flatulência, gases, prisão de ventre e outros sintomas22.

Os sintomas22 da hiper-hidratação podem ser confundidos com os sintomas22 da desidratação12 e são letargia30, confusão, agitação e convulsões.

O que mostra o laboratório?

Na desidratação12, os exames de laboratório mostrarão níveis sanguíneos de sódio, potássio e bicarbonato aumentados, elevação da densidade urinária31 específica, do nitrogênio ureico sanguíneo e da creatinina32. O hemograma mostrará sinais21 de concentração do sangue33. Se houver suspeita de diabetes13, deve-se proceder a dosagem de glicose34 (glicemia35). Na hiper-hidratação, ao contrário, ocorrerá uma diluição de todos esses elementos.

ABC.MED.BR, 2014. A importância da água para a saúde. Disponível em: <http://www.abc.med.br/p/vida-saudavel/517132/a+importancia+da+agua+para+a+saude.htm>. Acesso em: 21 jan. 2014