O envelhecimento é o principal fator de risco1 para doenças
neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer2 [1], mas pouco se sabe
sobre os processos que levam ao declínio de estruturas e de funções
cerebrais relativos à idade.

Com experimentos em ratos de laboratório, cientistas do _The Jackson
Laboratory_, nos Estados Unidos, ressaltaram em artigo publicado pela
revista _PLOS Biology_ que o exercício aeróbio no longo prazo, a
partir da meia-idade até a velhice, impediu o declínio neurovascular
relacionado à idade, aumentou a plasticidade sináptica e a capacidade
comportamental global em ratos idosos. Dado o papel da ApoE
(Apoliproteína E) observado na manutenção da unidade neurovascular e
como uma molécula anti-inflamatória, o estudo sugere uma ligação
possível entre a ApoE e as disfunções neurovasculares relacionadas à
idade. Para testar isso, camundongos ApoE-deficientes foram exercitados
a partir da meia-idade até a velhice e comparados a ratos do tipo
selvagem (ApoE-suficientes). A comparação mostrou que o exercício
teve pouco ou nenhum efeito sobre o declínio neurovascular relativo à
idade na ausência de ApoE. Coletivamente, os dados do estudo mostram
que as estruturas neurovasculares diminuem com a idade, um processo que
pode estar intimamente ligado à ativação do complemento na
micróglia/monócitos. O exercício físico [2] impede essas mudanças,
mas não na ausência de ApoE, abrindo novos caminhos para a
compreensão das complexas interações entre envelhecimento, doenças
neurodegenerativas, manutenção da unidade neurovascular e respostas
neuroinflamatórias.

Fonte: PLOS Biology, de 29 de outubro de 2015 [3]
NEWS.MED.BR [4], 2015. EXERCÍCIO PREVINE O ENVELHECIMENTO E A
DISFUNÇÃO NEUROVASCULAR EM RATOS DE LABORATÓRIO, ESTUDO PUBLICADO
PELA PLOS BIOLOGY